Comunico com os meus pais…


Já dentro da barriga o bebé ouve os sons do mundo… a voz da mãe, do pai e outros barulhos do exterior. Reage a esses sons mexendo-se e dando pontapés na barriga da mãe. O bebé começa aqui a querer comunicar e a dizer que já existe.

Quando nasce, o bebé já reconhece e discrimina as vozes dos familiares e os ruídos da sua casa. Pode demonstrar preferência pela voz da mãe.

É através do choro que comunica e o qual pode ser interpretado como choro de fome, de dor, de desconforto ou de sono. O choro vai-se diferenciando gradualmente pelo ritmo (contínuo ou com pausas), duração (pouco ou mais tempo) e intensidade (forte ou fraco).

Durante esta fase o bebé produz vários «ruídos fisiológicos», como sugar e engolir, arrotar, soluçar, espirrar e suspirar. O essencial é que os pais aprendam a dar significado a todos estes «ruídos», para conseguirem entender e comunicar melhor com o seu bebé.
Entre o primeiro e o segundo mês, o bebé começa a ser mais responsivo, conseguindo exprimir-se através de risos, guinchos, sons guturais ou sons da garganta («arre») e vogais («a», «e», «o»). Torna-se mais sociável, apresentando o sorriso intencional, fundamental para o desenvolvimento da sua comunicação.

Aos 4 meses começam os diálogos, as conversas, o palreio, os sorrisos, a mímica e o contacto ocular. É a fase do «tomar a vez», ou seja, das alternâncias de turnos em que o bebé é capaz de esperar e de perceber: Agora és tu e agora sou eu!

Nesta fase, o bebé ainda não entende o conceito da frase falada, mas é capaz de sentir o que está implícito, percebendo a diferença entre ser chamado com uma voz suave ou ríspida, entre ser posto no berço de modo carinhoso ou apressado, ou entre a mãe ter cara séria ou um sorriso aberto. Quando reconhece isso, responde com um sorriso, mexe as mãos ou pode mesmo fazer birra.

Entre os 4 e os 8 meses começa a descoberta da boca, são as brincadeiras vocais, em que o bebé faz bolhas de saliva, vibra os lábios ou faz «clics» na garganta. Explora os objetos com a boca e há um treino diário de todos os sons, só pelo prazer de os testar e de os praticar. Nesta altura, estes sons não têm a ver com a língua materna, mas com uma exploração universal, em que o bebé é capaz de produzir qualquer som de qualquer língua.

O balbucio aparece cerca dos 6 meses quando o bebé começa numa conversa sozinho de «mamama, tatata» e fá-lo durante muito tempo seguido. Percebe que tem controlo sobre a sua boca e pode fazer novos sons, moldando-a e mexendo-a de várias maneiras diferentes.

Aos 8 meses, a comunicação do bebé tem intenção, um conteúdo e um significado. Aparece o jargão infantil, em que o bebé usa sons, palavras e frases com diferentes frequências (agudo e grave) e intensidades (alto e baixo), parecendo que fala sozinho. Por vezes, ouve-se uma palavra real e muitas vezes a mãe diz: «O que disseste?» «bo» «Queres brincar com a bola?».

Reconhece o seu nome, olhando quando o chamam, reage ao «não» e é capaz de cumprir ordens simples, como «Dá a bola.», «Anda cá.».

A partir dos 12 meses, o bebé começa a produzir as primeiras palavras, sendo as rotinas diárias fundamentais para a sua aprendizagem. A alimentação, o banho, o sono vão ser a base para a aprendizagem do vocabulário. Começa a tomar atenção aos objetos que o rodeiam dentro de cada espaço e a relacioná-los com a palavra, objeto, ação ou sentimento.

A primeira palavra é sempre uma grande expectativa para os pais. Normalmente, a primeira palavra é o nome de alguém, de algum objeto ou animal que a criança já ouviu muitas vezes e que está de acordo com os seus interesses e rotina diária. Quando a usa tem uma intenção ao fazê-lo e compreende o seu significado.
Os pais aprendem a comunicar comigo…

Cada bebé é único, tem um temperamento e personalidade própria, gostos e interesses específicos. Por isso, o que comunica e o modo ou forma como o faz é individual e difere de um bebé para outro. Uns bebés usam mais as vocalizações, outros a expressão facial, o contacto ocular e outros, ainda a postura corporal.

No entanto, há sinais comuns que todos os bebés nos dão e nos permitem estabelecer um diálogo único e maravilhoso entre pais e filhos.

O bebé dá-nos pistas para iniciar e manter uma conversa
• Para de se mexer
• Faz movimentos suaves das pernas e braços
• Tem as mãos bem abertas
• Procura a mãe ou o pai
• Move os olhos na direção da mãe ou do pai
• Sorri
• Olha atentamente a cara da mãe ou do pai
• Mantém o contacto visual
• Tem os olhos bem abertos e brilhantes
• «Conversa»
• Faz sons de alimentação

O bebé dá-nos pistas para terminar a conversa
• Move a cabeça para o outro lado
• Mexe-se muito
• Fecha os olhos
• Chora, tosse, engasga-se
• Muda de cor, a respiração torna-se rápida
• Boceja, soluça, espirra
• Faz caretas exageradas, enruga a testa
• Põe a língua para fora

É preciso ter paciência e observar todo o corpo do bebé para aprender os sinais, as pistas de comunicação. Quando os pais estão atentos às pistas de comunicação dadas pelo bebé, ele perde menos energia e faz menos esforço. É para ele mais fácil comunicar. Torna-se também um bebé mais estável e mais regulado nas rotinas do dia-a-dia, como o sono e a alimentação.

Leave a Comment